Negras Apsarás (2013)

para orquestra de câmara.

 

Comissionada para o Festival Domainge Forget, Quebec, Canada.

Estreia: Nouvel Ensemble Modern. Quebec, Canada.

 

A atmosfera poética dessa obra se refere ao mito das Apsarás. Segundo a mitologia hindu, as Apsarás são ninfas do mar. Elas nascem das nuvens e das águas e são de uma extrema beleza. Reconhecidas como deusas da dança, elas dançam nos palácios, seduzindo homens e deuses.

 

O mito das Apsarás reúne imagens de movimento de uma imensa gama de matizes, funcionando para mim como uma espécie de síntese da possibilidade de conectar minhas próprias imagens da dança com todo um conjunto de sensações e nostalgias referentes aos elementos da natureza: o movimento na dimensão do corpo e do cosmos.

 

Porém essa ideia de tingir tais ninfas de negro, aproximando-as de meu universo cultural, de uma certa ambiência afro-brasileira, não passa de uma quimera, de uma idea absurda. Na realidade não existem apsarás negras. O que existe é uma tentativa poética de "com-por", de conectar elementos a principio longínquos: constelar.

 

Sendo assim, tentei criar uma música que exprimisse em seus próprios meios algo dessa atitude fantasiosa: uma dança irreal, ou melhor, uma "coreografia-sonora" (machine-mouvement / klee...)

 

 

copyright © 2014 sérgio rodrigo