Machine à lire le monde (2014)

para soprano, baixo e orquestra de câmara

 

Comissionada para o ManiFeste Festival (IRCAM, 2014); Paris, França.

Estreada pelos membros do Ensemble Intercontemporain e do EXAUDI Vocal Ensemble.

 

Essa obra tem como ponto de partida a obra de Sei Shônagon, que viveu por volta do ano 1000 no Japão, e Virgínia Woolf, escritora inglesa de grande importância no cenário da literatura ocidental do século XX.

 

Guardada toda a gama de diferenças estilísticas, estéticas e culturais, em tais escritoras o ato de divagar se volta atentamente aos mais ínfimos elementos que se apresentam à experiência perceptiva e reflexiva, definindo um procedimento de escrita que opera por listas, impressões, divagações e fluxos de consciência.

 

Tais autoras também se aproximam no horizonte de uma intuição de um tempo unificado: ora a imagem do dia está contida na duração de um ano (o ciclo das estações em Shônagon), ora imagem da vida está contida em um dia (o ciclo da passagem das horas no romance Mrs. Dalloway, de Woolf).

 

A proposta do trabalho é de engendrar musicalmente aspectos e procedimentos de escrita dessas escritoras, buscando criar uma espécie de máquina musical na qual o que se escuta na realidade é a própria sonoridade dessas operações de pensar o mundo e a vida.

 

 

copyright © 2014 sérgio rodrigo